Essa Blade Não Perdoa

Nem Lua Nova ou Velha. Nem Crepuscolo ou sem Escrúpulos. Depois de passar quase 120 minutos torcendo para a garota ser comida, OPSSS, MORDIDA, descobri como vai terminar a saga: Blade termina com a festinha dos suga-cueca. Nada de perdão para esses projetos de vampirinhos românticos mela-calcinha. Dessa vez quem vai pedir pra ver o filme sou eu!

Quer ver filme de vampiro de verdade com fundo romântico? Então assiste Dança dos Vampiros de 1967, do gênero comédia de terror, dirigido e atuado por Roman Pola?ski. Um Filme maravilhoso, apesar de ser estadunidense e britânico, com aquele humor que só eles entendem.    

A trama é ambientada na Transilvânia onde Professor Abronsius (Jack MacGowran) e seu aprendiz Alfred (Pola?ski) estão à caça de vampiros. Abronsius é desajeitado e pouco ambientado ao frio local, Alfred é apagado e introvertido. Os dois hospedam-se em uma pequena estalagem e Alfred encanta-se por Sarah (Sharon Tate), filha do estalajadeiro Yoineh Shagal (Alfie Bass).

Após assistir ao rapto de Sarah pelo vampiro Conde von Krolock (Ferdy Mayne), o professor e Alfred vão a seu resgate no castelo do Conde. O filme se desenvolve com passagens hilárias e culmina com um baile de gala para centenas de vampiros.

No filme são estereotipados alguns vampiros muito peculiares, como Herbert von Krolock (Iain Quarrier), vampiro homossexual filho do Conde, e Yoineh Shagal, vampiro judeu sobre quem a cruz, tradicional aliada dos caça-vampiros, não faz nenhum efeito.

Esse vale passar 120 minutos assistindo. Sem dúvida, o melhor filme sobre vampiros que já fizeram.